Browsing Tag

entrevista

Entrevista com @escrevendoesemeando

Uncategorized
photo 1 (2)
Alexandre Reis é o poeta/artista por trás do escrevendo e semeando – esse perfil com trocadilhos cheios de conteúdo e otimismo – e é o entrevistado do mês aqui no blog (obrigada por aceitar meu convite Alexandre!). Adorei ler as respostas dele e conhecer mais sobre essa pessoa tão criativa e tenho certeza que é o tipo de leitura que vai tornar o seu dia mais inspirado. Ainda duvida? É só começar a ler!

photo 1 (1)Opinião da designer: Como surgiu o “escrevendo e semeando”?
Alexandre Reis: A Escrevendo e Semeando nasceu quando uma semente caiu da ponta do lápis e brotou numa folha branca de um caderno de doze matérias e muitos sonhos. Permaneceu escondida em entrelinhas até que encontrou bocas que disseram: “Voa!”. Virou passaverso e começou a voar. De início eram voos tímidos, rasantes e até mesmo rasteiros. Mas depois aprendeu a se escorar no vento, ganhando altitudes, plenitudes. Ela agora voa cheia de graça, alto, longe, perto. Faz ninho nas distâncias e nos silêncios. Pia em versos e bate asas maiúsculas, cheias de rabiscos, colorindo-se por aí.
Nunca tive a pretensão de escrever (e nem a de rabiscar). Sempre gostei das exatas e foi por aí que trilhei minha carreira profissional. Em 2008, cansado da rotina da TI, resolvi adotar práticas que me afastassem da área após o expediente. Comecei então a devorar livros (literatura, poesia, ou qualquer outra coisa que não fosse exata!).
Acho que a leitura afrouxou alguns parafusos da minha cabeça. Comecei a sentir a necessidade de escrever, de pôr estes parafusos pra fora. Desta forma nasceram os primeiros versos, que ficaram escondidos num caderno de 12 matérias até o ano de 2009, quando um grande amigo leu alguns e disse: “Não esconda isso. Você precisa fazer estes versos voarem. Crie um blog. Publique o seu trabalho!” Obedeci!

Foi então que nasceu o Escrevendo e Semeando, contendo os meus primeiros passaversos. E, a partir de 2012, o blog ganhou seus correspondentes nas redes sociais:

Minha poesia permaneceu na forma letral até bem pouco tempo. Utilizava imagens de outros para fazer par com os versos. Estas, eram garimpadas na Internet e, quando publicada a poesia, eu informava a autoria da figura. Mas, infelizmente, existe muita coisa circulando neste mundo virtual sem os devidos créditos. Sempre era um problema quando eu encontrava uma imagem, amava o seu conteúdo (pois fazia um par perfeito com os meus versos), mas não podia utilizá-la, pois não sabia de quem era!

Foi então que, em Janeiro de 2013, comecei a fazer os meu próprios rabiscos. Descobri assim que a minha poesia poderia sair do mundo das letras e alcançar o mundo das imagens, das cores. Descobri que poderia voltar a ser criança através dos rabiscos, crescer para menos para ser mais. Foi assim que aprendi a voar!
photo 2 (2)

Odd: Onde você costuma encontrar inspiração para se manter sempre tão criativo?

AR: A minha maior inspiração está no cotidiano, no ordinário, no comum. Há muita riqueza escondida no dia-a-dia. Gosto de ver o vendedor virando as tapiocas no seu carrinho quando estou parado no semáforo, indo para o trabalho cedinho do dia. Gosto de sentir o cheiro da goma assando. Há muita Poesia neste cheiro, nesta cena, nesta sina. Tive a oportunidade de morar na França. Visitei Paris. Fui a Torre Eiffel e confesso: Não consegui escrever um verso diante daquilo tudo. O grandioso me assusta. Minha poesia é miúda, tímida. Minha poesia é um pardal.

Odd: Você gosta muito de algum poeta/escritor/artista em especial? Poderia nos contar qual?

AR: Leio muitos autores, muitos poetas nacionais e internacionais. Mas a minha grande paixão chama-se Manoel de Barros. Me identifico totalmente com a sua obra, com as suas “raízes crianceiras”. Me encanta o fato de um senhor de 97 anos escrever como uma criança. Ele não tem nenhuma preocupação com o significado das palavras, com o sentido delas.

Está sempre dando novas funções, novos ares, novos “deslimites”. Isso me fascina! Já no campo das imagens, gosto dos traços dos mestres Van Gogh, Monet e Cézanne. E sou apaixonado pelos rabiscos de Saint-Exupéry. Eles me reduzem para mais!

Odd: E quanto à sua própria arte, existe uma que tenha um significado especial para você, que marcou algum momento da sua vida?

AR: O primeiro desenho que publiquei na Internet com certeza marcou um momento de transição na minha arte e na minha vida como um todo. Trata-se de um homem mergulhando em uma piscina de pensamentos. Era justamente assim que eu estava naquele momento, em Janeiro de 2013. Estava prestes a mergulhar em um novo. Um novo país, um novo trabalho, uma nova maneira de expressar minha arte. Tudo mudou depois deste desenho!
PrimeiroDesenho5. Onde a gente encontra as suas criações para comprar?
Meu livro pode ser comprado diretamente comigo, através do e-mail:
[email protected]
As camisas poéticas e os porta copos podem ser adquiridos na loja virtual da Poeme-se: www.poemese.com
As canecas podem ser adquiridas na Stampa Mix: http://stampamix.loja2.com.br/category/864872-ESCREVENDO-E-SEMEANDO
E estou em busca de parcerias para a produção de quadros. Interessados, por favor e-mail-me: [email protected] ; )

escrevendo-e-semeando

escrevendo-e-semeando escrevendo-e-semeando Não esquece de contar nos comentários o que achou!
Beijão e até o próximo 🙂

Thyeme Figueiredo

Entrevista com Benjamina – Direto de Londres

Arte
Benjamina Fedaraviciute
“Eu acredito que nada é impossível – Não há nada que você não possa criar a partir de flores. No final do dia, quem diz que uma noiva precisa ter um buquê de noiva? Por que ela não pode ter um colar, uma pulseira ou um extraordinário arranjo de cabeça?”
(Benjamina Fedaraviciute)
 
indeco flowers

indeco flowers

Eu “conheci” Benjamina, logo que comecei a usar o instagram.  Cada foto que ela postava era uma dose de inspiração e, entre tantos clicks de passeios à praia e de sua filha pequena, tão espontânea e engraçada, ela apresentatava o seu trabalho belíssimo como designer floral. Com base em Londres, através da InDeco, ela não só trabalha com flores para casamentos, mas também editoriais, galerias de arte, criação de acessórios e tudo o que envolver flores.

Felizmente, ela aceitou o meu convite para uma entrevista (yey!) e abaixo segue um pouco mais sobre essa pessoa brilhante:

Qual é parte mais legal para você sobre trabalhar com flores?

A melhor (mais legal) parte em trabalhar com flores é a liberdade de criar algo diferente e único. Há alguns anos eu imaginei este acessório com flores frescas (colar de flores) e pensei quão legal seria para alguém usar algo bonito e perfumado no pescoço em vez de usar pedras, mesmo se forem pedras preciosas. Desde então, tenho ido de colares de flores frescas para coroas, lenços, sutiãs e muitos mais como eu chamo “flores loucas”. Eu absolutamente adoro o fato de que não há limites do que você pode criar a partir de flores frescas. Apenas adoro isso. Minha outra grande paixão é colaborar com fotógrafos de artistas e blogueiros, esta parte requer muita criatividade e boa parte do meu tempo.

Seu trabalho envolve muita criatividade. Onde você encontra inspiração?
Em qualquer lugar e em todo lugar. Eu amo a natureza, então eu consigo bastante daí, de um simples passeio por uma floresta, passear pela praia ou uma simples viagem pela estrada – Você pode encontrar muita inspiração, você só precisa abrir os seus olhos! Eu amo fotografia, então eu preocuro por inspiração visitando galerias de sessões fotográficas de moda, revistas de moda.

Qual é a sua flor favorita?
Oh Deus…Eu tenho tantas…e de vez em quando eu estou descobrindo novos tipos de flores que eu amo. Hoje eu diria que eu amo Hellebore, nesta época do ano aqui no Reino Unido elas estão no melhor período.

Hellebore
Você costuma ler blogs? Se sim, qual é o seu preferido?
Eu leio muitos blogs, se eu tiver tempo, mas não gostaria de escolher apenas um favorito, eles são tão únicos e alimentam a minha mente criativa de diferentes maneiras.


Você poderia nos dizer que músicas você está ouvindo atualmente?
Eu estou vivendo no sound cloud no momento, então nenhuma música em particular. Eu escolheria, mas house eletrônico ou “chill out” mixado estão em “on”, o que me lembra de feriados quentes e me ajuda a sobreviver ao inverno chuvoso em Londres.

Você conseguiria descrever quais são as cores mais presentes na decoração da sua casa?
Sou formada em design de interiores, então para mim decoração é tão importante, que é outra paixão minha – Casa bonita! Todos os cômodos da minha casa são únicos e diferentes, eu amo coisas peculiares e incomuns, gosto de usar as coisas de mandeira que as pessoas nem sequer pensariam.
Meu corredor é verde, com uma parede com papel de parede de pássaro em tom musgo. Eu apenas adoro esse padrão. A caixa de sapatos é uma caixa vintage de madeira pintada na cor cinza lavado.
A cozinha éde um elétrico verde doce, que é como eu chamaria essa cor. Comprei um bonito tapete tribal em preto e branco para complementar o look.

A sala de jantar tem claras cadeiras Perspex com uma robusta mesa de madeira. Amo esse contraste de formas e materiais, sobretudo a cor é latte, tem uma parede completamente cheia de imagens de família emolduradas. Como é um prazer vê-las todos os dias!

A sala de estar é, mais uma vez, diferente do resto da casa. Tem poltrona de couro, sofá chesterfield carregado de almofadas coloridas e diferentes, um tapete verdadeiro de vaca e a soleira da janela é coberta de Orquídeas frescas. Como esta sala é enorme, eu decidi ter cada parede de uma cor diferente, que varia de rosa blush ao cinza escuro. Uma parede eu pintei no estilo tie-die em tom pastel – a parte superior é um tom de barro claro e a parte inferior é um tom de barro escuro. Mas a minha favorita aqui é que tem o papel de parede tulipa.

Para a arte na casa eu mantenho principalmente os desenhos da “pequena humana” (sua filha) que eu adoro.

O que você mais gosta sobre o seu quarto?

Meu quarto é um projeto inacabado, mas é a prte mais legal, eu diria. Tenho uma cabeceira pintada à mão e eu absolutamente amo isso, é a minha interpretação de cabeceira perfeita. Uma vez eu tive a minha pintura em vez disso e gostei de olhar por algum tempo também.

Planejo ter uma cabeceira mais adequada na cor cinza, mas no momento eu apenas a amo como ela é. As paredes estão pintadas em um tom de azul calmo. O mobiliário é branco e cinza e eu amo o espelho vintage cuja moldura eu pintei e deixei em uma pilha de livros de jardins. Na mesa lateral, eu tenho um vaso azul claro cheio de luzes de fada e do outro lado, a mesa lateral é uma vintage cadeira de madeira escura. Descombinação que eu amo.

Você pode ver algumas imagens da minha casa na minha conta do instagram: @brashkes

Quando você vem visitar as praias Brasileiras?
Esta foi a segunda vez que visitei as praias do Caribe, mas foi a primeira vez que fui para o winter sun e eu absolutamente adorei cada minuto lá. É um verdadeiro paraíso, um contraste com a Grã-Bretanha, com certeza vou viajar novamente. Para o Brasil eu ainda não fui, mas tenho certeza que é simplesmente lindo!

indeco flowers
indeco flowers
indeco flowers
indeco flowers
Para acompanhar esse trabalho tão bonito, é só curtir a fanpage da InDeco no facebook ou seguir a Benjamina no instagram. Site: InDeco.
Conta pra gente o que achou da entrevista! Gostaria de ver alguém em especial sendo entrevistado aqui? Só mencionar nos comentário!
Um beijo,

Thyeme Figueiredo