Browsing Category

Diário

noivado-polaroids

O dia em que eu fiquei noiva

Diário

No dia 21 de maio de 2021 eu fiquei noiva. Mesmo dia em que meu namorado e eu completamos 10 anos de namoro. E foi tão fofo!

Quando eu anunciei nas minhas redes sociais, fiquei me sentindo um pouco exibida e sei que para muitas pessoas – tanto amigos quanto família – não significou nada demais porque moramos juntos desde 2018. Massssss entre nós dois o pensamento era diferente e, ter um pedido, um anel e um momento dedicado só para essa mudança de status no relacionamento, significou muita coisa. Foi bem especial.

Tiramos essas fotos logo após o pedido para anunciar para os nossos pais (obs: o que aconteceu com os meus dedos na foto da direita? hahaha)

O sonho de casar eu deixei com a Thyeme adolescente de 17 anos. Desde então eu nunca fui muito empolgada com ideia de uma festa grande, vestido de noiva e a cerimônia tradicional. No entanto, desde que a pandemia começou, com todos esses meses em isolamento, comecei a valorizar um pouco mais algumas celebrações.

A ideia de reunir as pessoas para comemorar algo começou a ganhar um novo sentido pra mim. Então, estamos tendo várias conversas agora sobre o que vai acontecer daqui pra frente haha

Leia mais: Junho de 2018 | Três anos de blog

O pedido

Eu tenho um gosto muito específico para joias e não sou fã de nada muito chamativo. Achei meu anel perfeito. Da pandora.

Nunca imaginei que eu ficaria tão apaixonada por um anel. André – meu n o i v o – conseguiu esconder muito bem. No dia em que completaríamos 10 anos de namoro, ele me chamou para ir até o lago. Estamos sempre só em casa por causa da pandemia e esse parecia um lugar ao ar livre bom para essa ocasião. Achei estranho ele querer colocar um terno para usar nesse dia (?), mas quando descemos do carro ele dispensou o terno e estava com uma calça tão justa que seria impossível guardar uma caixa de anel no bolso.

Mas ele guardou e eu não percebi, assim, qualquer suspeita que eu pudesse ter sumiu. Sentamos em um café bem pequenininho na beira do lago, tomando um chocolate suíço magnífico, acompanhado de uma empada de camarão (minha favorita) e no meio de uma conversa sobre a última década, ele me mostrou o anel e perguntou se eu queria casar. E foi assim, crianças, que eu fiquei noiva.

Esse é um vestido que comprei no início do nosso namoro, que felizmente ainda coube em mim haha da Khelf.

O melhor de Abril

Diário
dalgona
Café Dalgone, o meu favorito de Abril
aniversario-na-quarentena
Aniversário do André
aquarela-floral
Aquarela que criei durante Abril

ATUALMENTE

Li/Lendo – Matisse – Hilary Spurling | Orlando – Virginia Woolf (esse foi um projeto de leitura coletiva do canal Ler antes de morrer, onde eu deveria ter finalizado os 6 capítulos hoje mas ainda estou no terceiro) | Determinada a não começar nenhum livro novo enquanto eu não terminar a leitura dos outros, pelo menos, 15 livros em andamento lol.

Assistindo – REASSISTINDO pela milésima vez: Friends. E é impressionante o quanto a maioria das piadas perdeu a graça (sexistas, gordofóbicas, homofóbicas e etc.). Mas a história ainda é bem legal e ainda gosto muito dos personagens.

Ouvindo – Eu ouvi várias coisas aleatórias durante o mês de Abril e confesso que estou bem enjoada de todas as minhas playlists, mas gostei bastante de um álbum que ouvi pela primeira vez esse mês, o Fush Yu Mang (20th Anniversary Edition) do Smash Mouth. Uma música que tem me animado, que é uma das poucas que não enjoei, é Rock the casbah, do The Clash.

Fiz – Estou fazendo uma aula EAD, que virou projeto de extensão na verdade, e toda semana tenho experimentado novos materiais para produzir arte, o que está sendo bem legal (às vezes um pouco frustrante, mas faz parte). Continuei o projeto de Bullet journal no IGTV/Instagram da Diário Estranho e fiz também vários estudos de aquarela.

Aprendendo – Se teve uma coisa que eu aprendi esse mês, foi a ter auto-controle, lidar com a minha ansiedade e ser mais paciente. Acho que já me acostumei com o isolamento, mas em alguns dias eu só sinto vontade de arrancar os meus cabelos. Vários familiares meus foram infectados com coronavírus e foi muito difícil conseguir leito no hospital e a situação foi ficando grave (ainda não está boa, pra ser sincera). Então, como eu estou longe de toda a minha família (eles oram em Belém-Pará e eu em Brasília) não tem nada que eu possa fazer fisicamente e não terá nada que eu possa fazer também, nem à distância, se eu ficar mal emocionalmente por aqui.

Planejando – Continuo focando no meu trabalho, pensando em quando as coisas voltarem um pouquinho ao “normal”. Mas fora isso, acho que não tenho conseguido planejar absolutamente mais nada, nem consigo pensar nisso, tá sendo bem um dia de cada vez pra mim.

livro-orlando-kindle
Orlando- uma das minhas leituras desse mês

Espero que Maio traga coisas boas e mais saúde…

Até o próximo!

Amorzinhos de Maio 05DE2019

Diário

Maio pra mim foi um mês desafiador e de muitos questionamentos pessoais. Resolvi que estava na hora de mudar alguns hábitos ruins e investir em coisas mais saudáveis, não somente em relação a alimentação e a exercício físico, mas também a ser mais disciplinada em como eu administro os meus pensamentos. Sempre achei que todas essas coisas eram bobagens, mas ultimamente comecei a mudar de ideia. Em parte porque andei me sentindo constantemente cansada e percebi que meus hábitos não contribuíam para que a minha disposição fosse diferente.

Tive menos tempo do que de costume para aproveitar os meus hobbies, mas investi o máximo que pude da minha energia no meu trabalho e agora estou colhendo alguns frutos bons disso. Nem tanto em dinheiro mas na experiência de superar os meus próprios limites. Ainda assim, fiz coisas divertidas e até fora da minha zona de conforto.

Registrei muita coisa em formato de vlog: https://www.youtube.com/watch?v=wy8TsYah7zI&list=PLxzmU0gdbdkszcPrxtSvU6-at0AasW5xi

Depois de passar o dia inteiro sentada na mesa em frente ao notebook, às vezes eu levo ele pra cama e faço o que preciso de maneira mais relaxada (perdão,coluna).
Passei algum tempo com os meus cachorros passeando no parque
Quero voltar com os vídeos sobre história da arte no Youtube, então estou estudando bastante.

ATUALMENTE

Lendo – Aprendizados -Gisele Bündchen | Frankenstein – Mary Shelley | O demonologista – Andrew Pyper

Assistindo – 1º temp. de Desperate Housewives | Vi o filme “Homem formiga” | Vi o documentário “My true brilliant friend” | Última (péssima) temporada de Game of thrones | Penúltima temporada de Naruto (lol) | 2 temporada de Atlanta | Séries Alto mar e the crown

Ouvindo – King princess | Thank u, next da Ariana Grande | Dedicated da Carly Rae Jepsen | Billie Eilish | Staying at Tamara’s do George Ezra

Fiz – Melhorei a minha alimentação e pratiquei mais yoga.

colagem-thyeme-polaroid

New blog layout

Diário

A felicidade de estar com um layout novo aqui no blog é ENORME. Decidi compartilhar algumas imagens de alguns layouts que já usei aqui porque gosto muito de relembrar como as coisas se transformam e já são quase 6 anos compartilhando histórias nesse cantinho da internet.

blog-opiniao-da-designer-layout-antigo

A primeira logo que eu criei para o blog era uma casinha de bolinhas verde

blog-opiniao-da-designer-layout-antigo

E esse layout? Eu estava bem perdida no design gráfico hahaha

Awn, esse é o que mais se aproxima do último layout, que eu usei por um bom tempo...

Awn, esse é o que mais se aproxima do último layout, que eu usei por um bom tempo…

A história do blog

Eu lembro como se fosse ontem o dia em que eu resolvi criar um blog para ser complemento do meu trabalho de design de interiores. Isso foi em Junho de 2012 e eu estava morando sozinha em São Paulo, criando coragem para pedir demissão do escritório de arquitetura em que eu trabalhava. Nem acredito em quanta coisa na minha vida (e aqui) mudou desde então. Sempre gostei de internet e criei um blog no exato momento em que descobri que isso existia, em uma época em que eu precisava ir até uma lan house para conseguir escrever posts. O primeiro layout legal que eu tive foi em 2006 e era para um blog bem estilo diário, onde basicamente só os meus amigos entravam para ler sobre bobagens da minha vida e conversar comigo através dos comentários (que saudade disso!). Um amigo da escola que sabia mexer em código html me cobrou R$10,00 (hahaha) para fazer algumas modificações, como deixar o ponteiro do mouse com o efeito de uma vela de aniversário que lembra fogos de artifício…e eu adorava tanto isso.

Mais ou menos nesse período eu comecei a sentir um pouco de vergonha de ter um blog por causa do que alguns amigos pensavam sobre isso. Eu ouvia comentários do tipo “ai ai Thyeme só você mesmo” e começava a me sentir muito boba. Além do mais, nenhum dos meus amigos tinha blog ou demonstrava interesse em ter um, então eu acabava me sentindo um pouco anormal.  Abandonei.

Voltei a escrever. Abandonei novamente.

opiniao-da-designer-layout

Ainda gosto desse layout e até tentei manter o novo parecido, mudando só as coisas que eu acredito que vão ficar mais interessantes e legais para se ver em um blog

E aqui estou em Maio de 2018, descobrindo que as mesmas questões que me causaram vergonha tantos anos atrás ainda me afligem. A diferença é que agora eu tenho noção de que todas as coisas “idiotas” que eu gostava ou que eu já fiz foram fundamentais na construção da pessoa que eu sou agora. E não adianta me importar tanto com o que outras pessoas pensam sobre mim se eu acreditar no que eu estou fazendo (mesmo que no futuro eu pense que tenha sido algo idiota). Essa insegurança é que é idiota.

Eu sinto que as coisas andam muito corridas e muito superficiais e, ao mesmo tempo, me estressa essa exigência de ser ~uma pessoa profunda~. Então depois de muita reflexão, eu decidi que preciso começar a fazer as coisas do jeito que eu quero, do jeito que eu acredito, sem sofrimento por estar errando aqui e ali. Por isso mudei o layout e estou investindo nas minhas novas ideias, afinal, aqui é o espaço onde eu mais tenho me expressado ao longo dos anos.

Foto principal: trecho da música “cornerstone” do Arctic Monkeys.

Dinha

Diário

Há um mês eu adotei um cachorro. O objetivo da adoção era encontrar uma companhia pro perry, meu cachorro de 5 anos. Mudei de apartamento e o perry odeia ficar sozinho em casa, fazia um escândalo e embora eu pudesse talvez só tentar ensinar ele a se comportar quando não tivesse mais ninguém em casa, achei que adotar outro animal seria uma experiência mais legal pra ele e pra mim.

A Dinha foi resgatada por uma veterinária. Ela morava em um ponto de ônibus e foi encontrada em condições muito tristes: com os filhotes mortos dentro da barriga e o rabo quebrado. Eu encontrei ela na área de adoção de animais na feira “viva mais” do dia 7 e 8 de abril e dentre vários animais MUITO FOFOS, escolhia dinha porque ela era muito quietinha e parecia muito solitária se isolando pelos cantos. Como o perry é um cachorro mais estressado com outros animais, achei que ela não iria ter atritos com ele. Na indecisão sobre que nome dar pra ela, me deixei influenciar pelo nome escrito na carteira de vacinação que me entregaram: paradinha. Então dinha.

Para a minha surpresa, de paradinha ela não tem nada. No início eu tinha um pouco de medo de carregar ela pra subir as escadas e ser mordida e ela se escondia debaixo da mesa e ficava o dia inteiro lá. O pelo dela caía aos montes e o perry nem notava a presença dela, eles não interagiam. Mas depois de uma semana ela começou a mostrar mais confiança, aprendeu a subir no sofá, tentava brincar com o perry e começou a ficar mais independente. Até então eu imaginava que ela era uma cadela idosa. Com duas semanas levei ela pra uma consulta com a veterinária e descobri que ela tem no máximo três anos de idade. Descobri também que o rabo dela não tem nenhum movimento por conta de uma lesão localizada, provavelmente causado por uma paulada (associei isso ao fato de ela morrer de medo de vassoura). E a partir de então ela só foi ficando mais confiante e mais serelepe. Em resumo, ela é uma bebê brincalhona.

Ter um animal de estimação da trabalho e custa dinheiro pra cuidar direito, é quase como ter um filho mesmo. Eles têm personalidades diferentes, ficam doentes, precisam de vacina, de banho, de carinho e que brinquem com eles. Então eu penso que é preciso analisar com muito cuidado se você está mesmo disposto a adotar e adotar e depois devolver o animal porque ele não atingiu as suas expectativas é quase tão cruel quanto simplesmente abandonar. Eu não vou nem mencionar aqui o que eu penso sobre comprar animais, vou apenas dizer NÃO COMPRE. Existem muitos animais precisando de adoção e são seres vivos, não coisas.

Em pouco mais de um mês eu já não consigo imaginar a minha vida sem ela e por isso decidi dedicar um post aqui sobre isso, espero que seja só o começo de um longo relacionamento…

Não esquece de deixar um comentário pra dizer que a Dinha é linda haha

Beijos e até breve!

Loucuras anunciadas Goya

Diário

loucuras-goya

VOLTEI 🙂

loucuras-goya

Essas são fotografias da área interativa da exposição “Loucuras anunciadas – Goya” que está em exibição até o início de Abril aqui em Brasília, Na Caixa cultural. Eu gostei muito da exposição, que é composta principalmente por gravuras. São traços complexos e executados com muita perfeição, além disso, o tema das obras é muito profundo. Eu fiquei apaixonada por uma obra chamada “lealdade” (a única que mostro nesse post), que mostra um senhor(?) em uma situação de acusação enquanto tenta se manter firme e, daí o título penso eu, leal. Eu fiquei um bom tempo ausente aqui do blog, em parte porque eu não sabia direito o que postar, em parte porque eu nem vi o tempo passar de tão ocupada que eu fiquei nos últimos meses. E acho que eu precisava me reservar um pouco para voltar a encontrar equilíbrio e organizar a minha vida.

Vale muito a pena uma visita na Caixa Cultural porque, além da exposição do Goya, tem uma exposição do Salvador Dalí, com várias obras maravilhosas e bem diferentes do estilo das obras dele mais conhecidas. Também tem uma exposição da Tomie Ohtake (mas confesso que dessa eu não gostei tanto ¯\_(ツ)_/¯ ).

Feliz ano novo.

loucuras-goya

loucuras-goya

loucuras-goya

loucuras-goya

fantasia-de-tristeza

Fantasiada de tristeza

Diário

divertidamente_51-750x350

Esse é um post aleatório que eu queria escrever há alguns vários dias, mas não estava conseguindo encontrar tempo. Inclusive, minhas fotos não estão tão legais. Mas essa foi a minha primeira festa a fantasia e eu queria deixar registrada a minha experiência aqui 🙂

Minha amiga completou 18 anos (por sinal eu tenho mais amigos mais novos que eu do que mais velhos) e resolveu fazer uma festa à fantasia com o tema Disney, Pixar e afins. A princípio eu iria de Mulan, mas na hora de decidir as fantasias, uma outra menina escolheu essa antes de mim e então, depois de mudar de ideia mil vezes, acabei decidindo ir fantasiada de tristeza, de divertidamente. Eu pensei que seria bem fácil executar a fantasia porque a roupa dela é um suéter e um jeans, só esqueci que precisaria me pintar de azul (!). Só depois de estar completamente pintada foi que eu me dei conta de que a pele dela é um azul mais claro e eu acabei virando uma tristeza bem dark hahaha, quase não dava pra ver o meu rosto.

Minha outra amiga foi fantasiada de raiva, o que foi ótimo porque chegamos juntas na festa.

Tudo bem que no meio da festa eu tirei a peruca, lavei o rosto mil vezes porque não aguentava mais a tinta na minha pele, mas foi tão divertido!

Acho que essas pequenas alegrias compensam os dias mais pesados, não é? Espero poder repetir a experiência em breve.

tristeza-e-raivacasa-da-sofia

Até breve!

viagem-caldas-novas

Três anos de blog

Diário

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novasviagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

viagem-caldas-novas

Today are officially three years sharing my opinions with thousands of strangers here on this blog. I felt quite embarrassed at some times during those years because I wasn’t sure if what I was doing was something really cool, that had some use and how people were seeing it. Then I realized that the shame – and a lot of other feelings – is something existing only inside our heads. It doesn’t depends on anyone but ourselves. And I kept going.. And I kept going. with more balanced fear about the challenges that have appeared not only in relation to the blog, but in my personal life.

The cool side of insisting on overcoming difficulties is that they work in life exactly as video game levels. It starts looking very hard, then you face the first hurdle and when it comes the second, you realize that the first wasn’t really that hard. Then you start noticing that the second obstacle only looks difficult now, but it will also seem easy when you arrive in the third level. Can you see what I mean? And the secret is that what is changing is not difficult in itself, but you. You become stronger.

Perhaps I have said before, but I need to repeat that this blog helped me grow in many different ways and this in itself made be worth all the time invested here. So thank you for being a part of it by clicking, saving down the scroll bar, reading, watching, following, commenting! Maybe it isn’t too much for you, but it means the world to me. ♥


Hoje são oficialmente três anos dividindo as minhas opiniões com milhares de estranhos aqui nesse blog. Eu senti bastante vergonha em alguns períodos durante esses anos, porque eu não tinha certeza se o que eu estava fazendo era algo realmente legal, que tinha mesmo alguma utilidade e como as pessoas estavam enxergando tudo isso. Aí eu percebi que a vergonha – assim como uma porção de outros sentimentos – é algo que está somente dentro da nossa cabeça. Não depende de mais ninguém, só de nós mesmos.  E eu continuei. E continuei com um medo mais equilibrado em relação aos desafios que foram aparecendo, não só em relação ao blog, mas na minha vida pessoal.

O legal de insistir em superar dificuldades é que elas funcionam na vida exatamente como as fases de um jogo de videogame. Começa parecendo muito difícil, aí você enfrenta o primeiro obstáculo e quando chega no segundo, percebe que o primeiro na verdade não era tão difícil assim. Então você começa a perceber que o segundo obstáculo só é nível hard agora, mas ele também vai parecer fácil quando chegar na terceira fase. Conseguiu compreender o meu ponto? E o segredo é que o que está mudando não é a dificuldade em si, mas você. Você vai ficando mais forte.

Talvez eu já tenha dito antes, mas preciso de repetir que esse blog me ajudou a crescer de muitas maneiras diferentes, e isso por si só já fez valer a pena todo o tempo investido aqui. Então, obrigada por fazer parte disso clicando, salvando, descendo a barra de rolagem, lendo, assistindo, seguindo, comentando!  Talvez até nem seja muita coisa para você, mas significa o mundo pra mim. ♥

*Fotografias do final de semana passado*

Beijos! XO